Getting Higher, por Julian Vayne




Ahoy!

No começo do livro, o autor alerta que não está induzindo ninguém a fazer nada ilegal e que cada um deve observar as leis do local onde mora referente ao uso dessas substâncias.

Tendo isso claro, vamos a algumas belas passagens da obra:

"Preparação para a morte: drogas podem ser usadas para explorar como nos sentimos ao morrer. Elas podem nos ensinar a importância de 'desistir' para a experiência, fornecendo uma perspectiva mais ampla sobre a nossa mortalidade e reduzindo nossa ansiedade em relação à morte"

"Se Deus te contou numa visão induzida por drogas que você é o Messias, pode ser sábio esperar um tempo após a experiência, para fazer um teste de realidade e integrar isso na sua vida diária, em vez de anunciar esse 'fato' para todos e de várias maneiras durante ou imediatamente após a sessão"

"Esteja ciente, conforme você respira, dessa respiração de vida e morte, e desse ciclo infinito, um ciclo que é talvez repetido em inumeráveis outros mundos e em nosso universo. Pois ainda que possamos ser os primeiros, ou talvez os últimos, é provável que lá fora nas estrelas haja outros planetas como o nosso, palpitando com vida, e muito provavelmente com a morte também. 
Respire esse sublime conhecimento, essa realidade impressionante. 
Respire essa possibilidade sem fim.
Respire"

"Psicodélicos nos proporcionam uma oportunidade de brincar com pintura, desenho e areia ou moldar argila de uma forma que podemos nos reconectar com uma apreciação de criança de explorar e brincar sem julgamentos autocríticos sobre fazer 'boa' arte ou um produto final específico"

"Para praticantes mais experientes, Tabuleiro Ouija, convocar demônios para obter conhecimentos escondidos, possessão mediúnica, e outros métodos divinatórios também podem ser interessantes de explorar quando estamos alto com drogas"

"Nós somos psiconautas. Nós ousamos nos desenvolver e crescer"

"Há silêncio. Da escuridão espreitam milhões de estrelas. Eu estou embaixo de um cobertor de inumeráveis luzes celestiais ou talvez dentro de uma caverna brilhando com vaga-lumes. O tecido do espaço cintila com todas essas joias. Eu esqueci que eu havia tomado drogas. Esqueci que estou participando de um ritual. Esqueci meu corpo e não estou nem mesmo ciente de que estou enrolado num cobertor. Há apenas a escuridão e as luzes cintilantes. Não há nada antes disso, não há nada, não há nada mas apenas isso. Eu sempre estive aqui. Na escuridão, no espaço, nada houve antes..."

"'Nós estamos mexendo o caldeirão...
Girando o moinho...
A água é o leite da lua.
Compartilhe água...
(Mantenha segura, mantenha sagrada...)
Que todas as pessoas possam ter água
Limpa e fresca...
A água da vida...'
Todas essas palavras, faladas por cada pessoa, entrando e saindo, cria uma invocação cíclica. 
O círculo para, a água é segurada por apenas um participante, e eles bebem.
Minha companhia me oferece essa água, boca a boca, num beijo
'Que você nunca sinta sede'"


Julian Vayne é um dos meus autores favoritos de magia do caos. Já li muitos livros dele e sei que o cara é extraordinário. Eu já esperava grandes coisas dessa obra, mas ele se superou nessa.

Vayne fala de enteógenos com propriedade. Além disso, ele relata tudo de forma poética. Há passagens bem emocionantes no livro. E ele dá dicas valiosas de como usar as substâncias com cuidado.

Segundo ele, quantidade não é sinônimo de qualidade. Em vez de usar muito de uma droga, vale a pena em vez disso fazer um jejum para naturalmente aumentar o efeito. Além disso, há uma série de rituais e cuidados específicos recomendados, referentes a cada substância. 

Cada vez que se faz uso de uma droga, deve-se dirigir à planta (por exemplo) como a uma entidade, pedindo sua bênção antes da experiência e depois, expressando gratidão.

Em caso de viagens ruins, ele também dá em detalhes as dicas para melhorar.

Lindo, lindo! As preparações exteriores e interiores para cada ritual é como uma viagem para outro mundo, uma bela fantasia. 

Fantástico, Vayne! E aguardando seu próximo livro!

Você pode adquirir Getting Higher para Kindle aqui.



Comentários

  1. Você dá bons toques sobre livros que está pesquisando.Isso é ótimo.
    Sobre este tema ( drogas psicodélicas ) e ritual de "morte" o meu livro favorito e manual de cabeceira é :

    - A EXPERIÊNCIA PSICODÉLICA -UM MANUAL BASEADO NO LIVRO TIBETANO DOS MORTOS - TIMOTHY LEARY.

    Esse livro tem tudo o que se precisa para entender inúmeros fenômenos mentais ,ou seja, o que está por trás da cortina da "consciência".


    "Preparação para a morte: drogas podem ser usadas para explorar como nos sentimos ao morrer. Elas podem nos ensinar a importância de 'desistir' para a experiência, fornecendo uma perspectiva mais ampla sobre a nossa mortalidade e reduzindo nossa ansiedade em relação à morte".

    Se alguém não se sentir a vontade com esses procedimentos ,nada melhor que seguir os "jogos de Labirinto em guardanapos" e buscar atingir a última casa ,chamada de AGRACAMALAS , por Wanju Duli.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amo o Leary!! Brigada pela indicação, ainda não li esse! Por acaso (ou melhor, por sincronicidade, hehe) estou lendo um livro dele no momento (The Game of Life).

      Ahh o Agracamalas shdhdfgd! Só joguei uma vez, mas foi divertido ;)

      Excluir
  2. Tem algo que chama bastante atenção em seus dois livros que estou lendo ( entre outras pesquisas) ,Grimório da Insolência e Agracamalas :

    Você tem uma verve poética excepcional !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!! E olha que são livros meus "antigos" já. ^_^

      Excluir

Postar um comentário