Lost Envoy: The Tarot Deck of Austin Osman Spare, editado por Jonathan Allen




O livro não é tão longo quanto parece, pois está repleto de imagens. Finalizei a leitura agora mesmo. 

Como vocês sabem, fiz um vídeo no Youtube a respeito desse livro. E agora, ao terminar, tenho mais alguns adendos a fazer.

Além de me emocionar vendo os Arcanos Maiores de Spare, eu me emocionei vendo a foto, na página 90, dos registros da doação do tarot do Spare para o museu. Meus olhos quase ficaram molhados. Quase.

Eu já encomendei há algumas semanas a biografia do Spare, do Phil Baker. Está para chegar entre os dias 7 e 11 de agosto. Infelizmente já terei viajado nesse período e só poderei lê-la quando retornar.

Curioso que eu nunca fui muito fã do Spare. Eu comprei a versão física de "The Focus of Life" uns seis anos atrás pela IOT Books North America. Não gostei do livro ao terminar de lê-lo e dei para um amigo meu. Isso porque achei a abordagem do livro muito tradicional. Eu não percebi que era revolucionário para a época. 

Lendo o Spare ou os livros antigos do Peter Carroll eu acho que é algo muito formal e cheio de correntes. Mas para seu tempo foi uma quebra total com os conceitos de então.

Hoje em dia, agora que estou mais madura com ideias tradicionais após meu longo estudo do cristianismo, estou disposta  a redescobrir a obra de Spare e apreciá-la como se deve. Penso a mesma coisa sobre Crowley, astrologia, cabala e tarot, áreas que sempre tive pouco interesse por me soarem muito rígidas e fechadas. 

É provável que hoje eu tenha mais maturidade para isso tudo, embora eu só pretenda ir tão a fundo quanto meus outros interesses permitirem. Pra mim autores de magia do caos são prioridade.

Mas voltando ao tarot do Spare, achei fantástico que várias cartas se encaixam uma na outra! Literalmente. Ele desenha a cabeça de uma serpente numa carta, que se encaixa com o rabo de outra carta. Ou frases que se completam em diferentes cartas, formando várias combinações. 

O tarot do Spare é um maravilhoso quebra-cabeça! Dá pra passar muito tempo analisando as coisas que ele montou lá.

Nas páginas finais do livro há as bases que o Spare usou para desenhar cada carta. É bem divertido de ver suas inspirações.

Esse livro foi escrito com dedicação e paixão e esse amor passa aos leitores. Para ser sincera, eu não o comprei por ser fã de Spare. Eu o adquiri porque quando são livros grandes e coloridos que estão em voga na magia do caos prefiro ter a versão física para prestigiar todo o esforço.

Porém, algo inesperado aconteceu: estou gostando mais de Spare agora do que antes de começar a leitura. Eu sempre o respeitei, mas parece que agora, ao ver as cartas e a relação dele com elas, é como se ele fosse quase um amigo. Talvez um amigo antigo com quem não converso há muito tempo.

O ocultismo realmente tem esse poder de conectar as pessoas. É um submundo pequeno. Um autor me leva a outro.

Spare foi um cara discreto que não gostava dos holofotes. Será que ele imaginava que no século seguinte teria toda essa fama? Na magia do caos ele é considerado mais importante do que o Crowley como influência. 

PS: fazendo uma correção no meu vídeo: o livro é do ano passado, mas só esteve disponível na Amazon brasileira a partir desse ano.


Comentários