Ray Sherwin, IOT e a questão da autoridade




Eu não sei o que aconteceu, mas esse ano todos os autores famosos de magia do caos resolveram lançar livro novo hahaha! Só mesmo uma fanática religiosa (ops, fanática caótica) como eu pra tentar ler tudo que aparece.

Infelizmente não poderei comprar o livro novo do Sherwin, por vários motivos. Ele não costuma disponibilizar uma versão em Kindle de seus livros. O livro anterior dele (Vitriol) eu encomendei a versão impressa pela Amazon na época, mas o Ouroboros não tem na Amazon brasileira e o livro tem uma edição limitada de 500 cópias. Eu poderia tentar comprar diretamente com o autor, mas não terei dinheiro para isso agora.

Então acho que não conseguirei ler esse livro, ou pelo menos não tão cedo. Eu li algumas resenhas que encontrei na internet e gostaria de comentar.

Sei que, dentre outras coisas, Sherwin fala sobre vários problemas da IOT, envolvendo inclusive abusos de crianças e a morte de alguns membros. Lembro que no Vitriol ele já havia feito algumas críticas, talvez não tão diretas.

Não importa se estamos falando da IOT, da OTO, de grupos de wicca, de igrejas cristãs, etc. Sempre aparecem pessoas que fazem coisas desagradáveis em todas as organizações. Até que ponto será que a própria organização deve ser responsabilizada e criticada porque aceitou membros que posteriormente se revelaram pessoas de mau caráter? Não sei.

Seja como for, a crítica comumente mais citada em relação à IOT (que também é mencionada pela Jaq D Hawkins, que fez parte da IOT por dois anos) é que, mesmo possuindo um sistema hierárquico simples e mais pelo caráter administrativo, ainda assim há pessoas que abusam das suas posições de poder e gostam de brincar de líder que deve comandar e ser respeitado.

Toda a estrutura de teatro de rituais e de grupos secretos é um tipo de jogo, então de certa forma o sistema de graus e os títulos também fazem parte desse jogo. Claro que alguns começam a levar o troço muito a sério. Nem sempre é ruim a existência de hierarquias, a não ser que as próprias pessoas abusem de suas posições de poder, como ocorre em nossa sociedade com professores e chefes no trabalho. Mas é claro que há ótimos professores e chefes. O problema é o do sistema ou das pessoas? Ou será que o sistema colabora para que as pessoas "se corrompam" e também deve ser responsabilizado? Assim como o capitalismo, que não obriga ninguém a amar dinheiro, mas de certa forma "convida" a isso?

Julian Vayne é o exemplo de um membro antigo da IOT que costuma elogiar o grupo e se adaptou bem. Acho que isso varia de pessoa pra pessoa. Tem gente que simplesmente não suporta que haja pessoas acima dela (ou abaixo, enfim), que é totalmente contra essa coisa de haver pessoas acima, abaixo, etc, e eu entendo completamente! Não acho que o Vayne concorde com isso, mas talvez ele simplesmente não se importe, não se sinta ofendido quando um ou outro membro abuse do poder. E que, apesar dos defeitos, ele ainda acha que vale a pena ficar lá.

Há grupos com sistemas menos hierárquicos que outros, mas é preciso ter gente organizando, administrando. É preciso ter sorte para fazer parte de um grupo em que os administradores sejam gente boa, embora eles possam mudar a administração de tempos em tempos e nesse momento a decisão de permanecer ou sair deve ser considerada.

Da forma que a Jaq D Hawkins relatou no novo livro dela, essa questão dos líderes da IOT costuma ser uma novela em todos os países em que a IOT existe (parece que particularmente na Alemanhã é um novelão!). Alguns se incomodam com isso, outros não. Assim como no colégio ou na faculdade você pode gostar ou não dos seus professores, ou no trabalho você pode gostar ou não de seus chefes. Mas mesmo os melhores líderes têm seus bons e maus momentos.

Você pode propor um novo sistema de ensino construtivista, sem professores, ou professores como mediadores do ensino, etc. Pode propor grupos de magia sem líderes, ou com organizadores democráticos, que seja. Pode dar certo ou não. 

Até hoje na política se considera que a democracia é o sistema mais justo. Veja bem: não é necessariamente o melhor sistema que levará aos melhores resultados, mas é, aparentemente, o mais justo e por isso continua a existir até hoje. Desde a Grécia Antiga se debate qual o sistema ideal de governo e os filósofos não chegavam a um consenso. É importante experimentar vários métodos e você, como ser humano único, irá se adaptar melhor a um ou outro. 

Eu ainda acho que grupos de magia não hierárquicos ou "pouco hierárquicos" tendem a ser melhores, mas pode acontecer perfeitamente de você se adaptar a um grupo bastante hierárquico e que tenha líderes legais. Ou que tenha vários defeitos, mas você decida permanecer, pois os lados bons compensam.

Vai de cada um. Mas acho que as críticas do Ray Sherwin e da Jaq D Hawkins são bem válidas.


Comentários