The Story of My Experiments with Truth, por Mohandas K. Gandhi




Finalmente terminei de ler a autobiografia do Gandhi! Nem acredito que não tinha lido até hoje. Eu só havia lido uma biografia pequena dele, mas sempre ouvi falar a respeito dessa.

Eu considero Gandhi uma pessoa fantástica. Claro, ele é completamente humano e cometeu erros. Mas não considero os "erros" da juventude dele tão repreensíveis assim. Ele, na infância e adolescência, estava fazendo o que era esperado dele: de seus pais e de sua sociedade. Foi difícil começar a questionar esses valores.

Na verdade, ele questionou demais. Interessante que ele buscou muitas de suas inspirações não nas ideias de sua época, mas no passado: na religião e na tradição de seu povo, mas tendo a sabedoria de escolher um caminho não somente porque foi ditado por seus antepassados, mas porque sente ser o certo.

Por várias épocas de sua vida Gandhi comeu apenas frutas, largando completamente não somente a carne, mas também ovos e leite. Os médicos insistiam para ele que ao menos leite ele devia beber. Gandhi teve vários problemas de saúde devido à sua insistência em não comer nada de origem animal e a seus jejuns, mas ele estava até mesmo determinado a morrer para não machucar os outros seres. Esse era um princípio dele.

Ele causou um pouco de sofrimento a sua esposa e seus filhos devido a suas escolhas de vida, mas eu entendi que ele estava tentando ser verdadeiro com ele mesmo. Ele não gostava da medicina tradicional e sempre buscava métodos alternativos de cura (pela água, pela terra) e ele mesmo viu que às vezes ele devia sim confiar nos médicos do seu tempo.

Mesmo sem ter estudado medicina ou biologia, Gandhi lia livros sobre vegetarianismo e tinha suas convicções a respeito do que era saudável. Claro, tem a questão ética e religiosa que ele considerava acima da saúde e quanto a isso nenhum argumento da medicina poderia convencê-lo. Em certo momento ele arriscou até mesmo que o filho dele corresse risco de morrer do que consumir carne. 

Devo julgá-lo? Não, não cabe a mim julgar. Vivemos numa época em que a matéria e a saúde são consideramos acima do espírito. Eu sou um produto da minha época e considero a saúde e bem-estar físico importantes, mas Gandhi tinha outra visão do mundo. Ele realizava jejuns pesados, andava na terceira classe do trem mesmo que isso comprometesse seriamente sua saúde e muitas outras coisas. 

Ler essa biografia me trouxe vários aprendizados, como o funcionamento dos ashrams que ele criou e a situação dos intocáveis. Também fiquei admirada de ver como sua atuação como advogado seguia princípios éticos irrepreensíveis. Ele estava disposto a perder um caso e não defender seu cliente do que faltar com a verdade.

Todos nós fazemos escolhas na nossa vida sobre o que comer, no que trabalhar, sobre família, amigos, lazer e como viver em geral. Gandhi sempre esteve disposto a sacrificar tudo pelo que acreditava.

Eu, assim como muitos de nós, já questionei em relação a todas essas coisas, mas acho que nunca teremos respostas definitivas. Não sabemos de muitas coisas, mas tudo que podemos fazer é seguir o nosso coração e confiar nas pessoas ao nosso redor e na sabedoria dos que vieram antes de nós. Por isso eu leio livros: quero saber não somente a perspectiva dos que vivem na minha época, mas de diferentes épocas e culturas. Temos aprendizados valiosos em todas as partes. E com tantos conselhos vamos formando nossa forma própria de ver o mundo, que nunca deve se cristalizar.



Comentários